sábado, 7 de abril de 2012

Período Refratário Relativo de Fofura

Postado por MissHachi7 às 12:34 0 comentários
    É o espaço de tempo necessário entre a visão de uma coisa fofa e outra coisa fofa para que você consiga identificar a segunda coisa como fofa. A não ser que ela seja SUPRA-fofa, e aí você consegue encurtar o Período Refratário Relativo e aumentar a frequência de "awwnn" e "oown" e "*----*".

Nem ligo.

Postado por MissHachi7 às 12:01 0 comentários
       Ela pode ser a pessoa mais maravilhosa do mundo, ser linda, educada, doce e meiga, estudar com você no dia anterior à prova, correr na chuva contigo para não perderem o ônibus de volta pra casa, cozinhar como sua mãe... Mas não significa que eu me importe, nem que eu queira ouvir você me contando tudo isso. Pode amar, sim... mas não esfrega na minha cara que ama OUTRA pessoa que não eu.

Old but still gold...

Postado por MissHachi7 às 11:58 0 comentários
      Palavras... mesmo que eu te diga centenas delas, você acreditaria em mim?
    Direi que sou uma pessoa adorável, que gosta de pular corda com as freiras, tomar sorvete com as criancinhas do coral da escola, aprender o hino do Japão para cumprimentar um coleguinha nipônico que acabou de chegar na escola (ei, o Japão tem hino?), que gosta de estudar os colóides só para conseguir explicar o fenômeno da glicerina para os adolescentes com hormônios à flor da pele durante as baladas de sábado...
     Acreditariam se, por outro lado, eu inventasse que sou detestável, mais azeda que limão com sal, do tipo que vê alguém segurando compras, e faz questão de esbarrar nele só para ver a chuva de tomates e sacos de feijão e talvez um vidrinho de própolis avulso... Ou do tipo que fura filas... e que se alguém reclamar, recebe um convite para visitar o inferno?
     Bom, eu acho que não sou nem uma coisa nem outra... sou um meio termo, uma média geométrica. Sou do tipo que gosta de cantar sozinha, que sempre se finge de desafinada perto dos outros, só para ser motivo de piada... do tipo que se apaixona fácil, mas leva séculos para se esquecer de alguém... uma jovem que abomina festas superlotadas, despreza o carnaval, acredita em amor à primeira vista (certo, nessa parte eu tenho que fazer uma pausa para explicar... sabe quando dizem que todas as pessoas devem acreditar em pelo menos uma sandice para que suas vidas tenham a falta de sentido necessária para que se tenha alguma aventura? Não? Bom, então deixa pra lá....) e em todas as bobagens que lê no horóscopo.
     Sou uma pessoa que decide muito rapidamente se vai amar ou odiar alguém, e geralmente eu tomo a decisão certa. Não sou alguém 100% à prova de erros, mas ninguém o é. Sou uma pessoa "pseudo-intelectual", que sabe explicar os princípios da eletroestática tranquilamente, mas que, para uma conversa mais íntima, prefere falar sobre assuntos idiotas, como as frases de Homer Simpson, ou coleções de adesivos, ou coisas avulsas desse tipo.Bom, essa aí sou quem eu digo que sou. Se é verdade, bem... acho que você deveria tentar descobrir...

Parto de ideias

Postado por MissHachi7 às 11:53 0 comentários
"Quando se está ajudando a parir ideias, pode haver abortos." ~~Dudu

Teoria do dia

Postado por MissHachi7 às 09:13 0 comentários
       Minha teoria é de que os cães sabem, no momento em que te encontram, se você é a pessoa que vai ser designada para dar banho neles.
       Por isso, quando conheci os 15 cães do Amarildo, todos me amaram: eu nem pensei em usar um shampoo contra eles. Por isso todos brincamos, nos empurramos, e nos mordemos (brincadeirinha, só um deles me mordeu. Mas foi com amor e, como usei band-aid, o corte superficial cicatrizou duas vezes mais rápido haha), correndo na terra e nem ligando para o fato de o barro estar cobrindo 99% de nossa superfície corporal...
      E por isso a Zara me desprezou desde sempre: ela me foi apresentada enquanto eu portava um sabonete anti-pulgas. Eu vi nos olhos dela: essa chow chow nunca me dará moral. 
      E o Kiwi, meu shi tzu meigo, fofo e peludo, tomou banho de verdade, mas ainda me ama porque quando nos conhecemos eu fingi que quem ia dar banho nele era a Ananda... E a primeira impressão é a que fica. MUAHAHA.

"A whole new world..."

Postado por MissHachi7 às 09:09 0 comentários
    Ou nem tanto! Entrar na faculdade não foi tão traumático quanto previam os pessimistas (leia-se: o Apollo). Eu acho que nasci para ser universitária (A Exagerada). Tudo bem, admito que no começo eu estava indo amarrada, e desprezava todas as aulas que eu tinha (contudo, vamos concordar: só ter aula de Humanas é análogo à dez tequilas seguidas). 
     Eu chegava desanimada e voltava pra casa desolada. Sentia que nada estava dando certo e que eu ia acabar soterrada no tanto de folhas que eu tinha que ler em pouco tempo. Acreditava que finalmente havia chegado a hora de me redimir dos meus pecados, que ia ficar sem amigos, que nunca mais poderia chamar ninguém de "bitch" de forma amigável. 
      Eis que a luz no fim do túnel não é só um trem! As matérias eletivas começaram, e eu fui para uma aula de Esquizoanálise. Lá, pensei "FUDEU!". Só haviam alunos mais velhos (de períodos mais avançados) e três "bixos" (contando eu, a Nady e o Lúcifer). Bom, eu esperava uma aula conceitual, do tipo "professor fala, alunos anotam". 
      Mas foi TÃO ao contrário! Houve uma dinâmica sobre o Rizoma ("Mil Platôs", Deleuze e Guattari), linhas de força, devir... Fez tanto sentido! De repente, eu meio que vislumbrei o tamanho do campo em que eu havia me metido quando comecei a fazer Psicologia. Eu tive uma epifania, uma revelação da importância de estudar todas aquelas matérias que antes me pareciam tão sem propósito. Eu me senti pequena, perdida dentro de todo um rizoma.
     Desde então, as aulas de Filosofia já têm outra aparência para mim. Sociologia e Antropologia, agora, fazem sentido. Eu não acho que essa aceitação tenha algo a ver comigo, pois eu não me dispus em momento algum a querer aceitar. Foi algo mais espontâneo, veio PARA mim, e foi fundamental. Não sei nem se o professor de Esquizoanálise tem ideia dessa revolução. 
     Além disso, fiz novos amigos, que são absurdos de tão inteligentes, divertidos... Uma sala bem dibs! Acho que é a primeira vez que estudo numa turma em que ninguém desperta meus instintos assassinos... Eu ainda falo com meus bons e velhos amigos do colegial, lógico... Enfim, as coisas estão finalmente dando certo! Aleluia!

Em todo lugar

Postado por MissHachi7 às 08:33 0 comentários
     Não é mais metáfora dizer que eu te vejo em todos os lugares. Agora é verdade, e dói mais.  
     Mesmo assim, eu ainda acho melhor essa dor, do que esquecer como você é.
 

Casa da Hachi Template by Ipietoon Blogger Template | Gadget Review