terça-feira, 17 de junho de 2014

Desaprendeu a amar?

Postado por MissHachi7 às 21:49 0 comentários


EU:
Você passou por tanta merda na vida que não consegue acreditar em ninguém? É, eu também! Perdi a habilidade de identificar uma mentira, um sentimento inventado, uma palavra vazia - se bem que não se perde o que nunca se teve. Hum. A questão é que antes eu ia fácil pra dentro de uma ilusão. A pessoa sorria pra mim e eu já montava [em tempo recorde, dois minutos] toda a nossa história de amor, começo, meio e fim [inclusive isso apareceu em um teste de personalidade, ô vergonha]. 
Agora, nem querendo. Não aprofundo. Tenho vontade, muita, de imaginar [á toa, claro, a gente nunca conta essas coisas pros outros, só faz dentro da cabeça, crianças, não estrague -mais- relacionamentos pensando em voz alta, obrigada] viagens, mudanças, animais de estimação, decoração da casa, lista de convidados pro casamento, nome dos filhos. E de vez em quando invento pessoas pra fazer de conta que estou planejando tudo isso com elas. Mas quando aparece uma pessoa real, eu não consigo mais. Minha criatividade congela. 
Tenho um medo infinito de nada virar nada. Quando a gente inventa sabendo que é de mentirinha, tudo passa e foi só mais um devaneio, nada de mais. Quando a gente inventa olhando nos olhos da pessoa, desejando do fundo do coração que tudo venha a se concretizar... e aí a pessoa vai embora, ou você tem que ir embora... é literalmente um pedaço do seu futuro que não existe mais. E dói, e demora a sarar.

ALGUÉM:
Que triste, Aline, deixa o tempo curar, que besteira, você não devia ter medo de amar alguém, de por tudo a prova. Quer dizer, só porque ninguém nunca ficou pra sempre, não significa que ninguém nunca vá ficar [isso fez sentido? você entendeu? ótimo]. Se você se recusa a acreditar em todo mundo, talvez a pessoa que realmente ficaria para sempre chegue e vá embora, porque ela também precisa encontrar em você um porto seguro, um abraço certo, e um coração confiante. Como você se sentiria se amasse alguém que duvidasse do seu amor?

EU:
Claro, ma-ma-mas e se eu acreditar e for tudo mentirinha de novo? Vou me sentir humilhada e ridícula de novo, e convenhamos, já me senti assim muitas vezes antes e não foram experiências agradáveis. 

ALGUÉM:
Ah, bom, então já sabemos o que está acontecendo. Você está com medo de machucar seu ego. Não tem nada a ver com não gostar da pessoa ou não confiar nela, você está é com medo do seu orgulho ser partido outra vez, mas olha, se você viver para proteger seu ego, nunca vai sentir nada de verdade. Nada pode te machucar de verdade quando se trata de confiar no sentimento das pessoas, você é uma alma eterna, minha filha, esse tipo de coisa vista da eternidade é tão pequeno e egoísta que todos aqui rimos de você. Por favor, perceba que está fazendo uma escolha bem limitada. 
Por um lado, você não acredita em ninguém e se mantém segura dentro da sua bolha mágica de isolamento, passa por experiências sem significado ou profundidade e evita o que chama de "humilhação", porém ao mesmo tempo acaba privando a si mesma de encontrar o amor como ele vem - repleto de imperfeições, porque você está lidando com seres humanos, mas também cheio de cumplicidade e, talvez, se tiver sorte, alguns objetivos semelhantes, e alguém para compartilhar sua jornada na Terra. 
Agora, se você parar para pensar, mesmo que não encontre, qual o problema? Nunca há ônus em confiar no amor que vem até você, no final. 
O verdadeiro problema reside em não amar verdadeiramente, não cuidar dos próprios sentimentos e ser irresponsável com o sentimento que lhe é confiado por alguém.
Para resumir, você está sendo uma covarde. Esqueça toda prova contrária que lhe apareceu a respeito do amor. Ele existe, e você vai encontrar, mas tenha em mente que ele sente o cheiro do medo. Não seja ingênua, porém não tente se blindar contra tudo de bom que o Universo está disposto a ceder a você. 
Reaprenda a amar. E vê se cresce.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Bebês - ainda não

Postado por MissHachi7 às 21:18 0 comentários
Ultimamente ando considerando bebês que vejo na rua lindos demais. Toda vez me dá uma dor no coração e preciso gritar para mim mesma [às vezes mentalmente]: 

"Não, Aline! Você precisa terminar a faculdade antes de arrumar um desses!".

Mas quem diria, né?



Sempre fui terminantemente contra algumas instituições e algumas ideias, mas as minhas birras mais famosas [especialmente nos círculos familiares] eram contra o casamento e ter filhos. Você sabe, já escrevi aqui algumas das minhas reclamações a respeito. 
No entanto [e você sempre pode ficar com medo quando aparece um "no entanto" meu em temas assim] as pessoas mudam, as situações também, e honestamente, eu tenho conversado com muita gente, acabei abrindo a cabeça e pensando mais sobre o assunto. 
Tendo passado por alguns relacionamentos ["experiente" é o caralho, pau no teu cu], percebi que não consigo suportar as chamadas relações abertas. Não ter compromisso simplesmente tira a minha paz de espírito. 
Quem diria...
Eu preciso saber que a outra pessoa tem por mim o respeito que eu tenho por ela. 
No mínimo. 
E seguindo essa linha de raciocínio, concluí que me casar não seria a pior coisa que poderia me acontecer [é, eu poderia morrer explodida, por exemplo].
E sobre filhos...
Ah, Deus, eu andei visitando conhecidas grávidas, ou com recém-nascidos... E céus, elas parecem tão felizes. Mesmo com os pequenos gritando a plenos pulmões, elas ainda acham que é o melhor acontecimento da vida delas. Com a falta de sono, com a correria... 
Eu não quero um agora, e não consigo imaginar momento da minha vida em que eu queira, e ao mesmo tempo talvez, com uns 55 anos de idade, eu sinta que tenho tempo e amor suficientes para adotar um para mim. 
Ai, meu útero e meu coração.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Lavar Roupas - Dicas para quem está tão perdido quanto você!

Postado por MissHachi7 às 14:43 0 comentários


Se você se parece comigo em qualquer nível, deve ter uma preguiça medonha. Então talvez esses conselhos sirvam para alguma coisa, especialmente se você mora sozinho.

Lidar com suas roupas pode ser muito simples ou muito complicado, dependendo apenas destes fatores:
a) Você tem uma máquina de lavar?
b) Suas roupas são do tamanho EXGG?
c) Você se importa se o resultado não for a perfeição?
d) Você tem mais roupas pretas/brancas do que qualquer outra cor?

Agora vamos para as sugestões que derivam dessas variáveis.

- Se você está com preguiça de acordar cedo demais, durma com a roupa que deve usar no dia seguinte.

- Se você acabou de ganhar uma manta que solta plumas azuis e brancas, talvez não queira dormir com sua camisa preta favorita [bye, Ramones].

- Se você vai colocar suas calças na máquina para lavar, certifique-se de que não há nenhum pedaço de papel nos bolsos. Os estragos que um bilhete esquecido podem causar são inimagináveis. Um papelzinho maldito de 3x6cm gera dois bilhões de fragmentos que se espalharão uniformemente por TODAS AS SUAS ROUPAS. Pois é, quem diria.

- Se você precisa deixar suas blusas brancas brancas, coloque-as de molho no sol, com um pouco de sabão em pó. É, nem posso contar como eu aprendi essa.

- Se você vai usar água sanitária, aceite que o cheiro vai permanecer em suas mãos, não importa se você passar cremes hidratantes, perfume, sabonetes, álcool, lágrimas de fênix.

- Se suas roupas, como as minhas, parecem cada uma um lençol de tão grandes, dê uma chance ao varal da dona da casa, e não pendure todas ao mesmo tempo. Use um espaço razoável entre uma e outra para que sequem mais rápido e você possa escondê-las o quanto antes [espero que bullying contra mim mesma não conte como bullying]. OBS: já arrebentei o varal daqui do pensionato duas vezes.

-  Se você quer economizar em alguma coisa quando se trata de lavar roupas, economize no amaciante, na água, no esforço [sempre] mas não no sabão em pó. Algumas marcas vão deixar as peças escuras esbranquiçadas e as brancas amareladas. É, pois é.

- Se você não tem uma máquina de lavar roupas e vai fazer tudo no muque, escolha um dia da semana em que possa se dedicar a isso, de outra forma você vai acabar não fazendo nada – vais acabar com todas as roupas sujas e tendo que passar uns bons tempos de pijama enquanto finalmente cuida da lavanderia. Cuidado com as unhas também [estou com quatro dedos com as unhas descoladas por falta de atenção na hora de torcer calças jeans].

- Se você tem uma máquina e suas roupas são delicadas demais, jogue tudo lá dentro e permita que elas sejam destruídas – você não quer possuir roupas que não estão prontas para viver no mundo real. É como uma seleção natural acontecendo bem na frente dos seus olhos.

- Se vai lavar muitas roupas de uma vez [e mesmo se forem poucas...  acho que acabei de desperdiçar uma frase], separe blusas de calças de roupas íntimas de capas. Eu não levava isso a sério até ter que fazer isso sozinha.

Bom, por enquanto é só, divirtam-se, o dia de lavar roupas é o dia de glória de qualquer estudante universitário, aproveitem a magia para cantar enquanto fazem isso.

domingo, 8 de junho de 2014

Viver de Miojo

Postado por MissHachi7 às 18:27 0 comentários


Morar sozinha é muito bom. Sério.

Não tem ninguém mandando você arrumar seu quarto [embora de vez em quando alguém pegue a porta aberta e se assuste... pelo menos não existem regras como "se você não arrumar seu quarto, vai dormir na sala", ou "seu quarto está com um cheiro bizarro, você devia encontrar o que morreu aí", etc].

As pessoas não se incomodam com seus horários, você sai quando quer e não deve satisfações, come o que quiser e ninguém fica dizendo coisas como "você realmente precisa repetir?" ou "por que você está misturando ketchup com iogurte?”

Quer dizer, foda-se.

Você pode dormir a tarde para compensar as noites viradas estudando [o que jamais acontece quando se mora com outras pessoas], pode fazer contas complexas para descobrir quantas aulas pode matar sem bombar por falta [isso se chama controlar seu auto-controle].

Pode decidir pintar as unhas às 4 da manhã.

Pode beber leite na hora do almoço e comer miojo no café da manhã.

No entanto, tenho algumas observações.

Viver de miojo não é tão simples quanto parece.

Para um prato associado à imagem do estudante universitário, não é fácil o suficiente de preparar. Claro que o fato de haver duas portas e uma garagem entre o microondas e eu pode ser um bom motivo para eu não ter coragem de ir lá verificar se já está pronto.

E como eu não tenho vergonha na cara, aqui vai uma revelação chocante da minha vida de solteira [caralho, eu devia ser um homem pra fazer esse tipo de coisa]: como eu tenho preguiça não tenho tempo, no fim de semana em vez de ir preparar três miojos [o que tomaria 25 minutos da minha vida], eu vou uma vez, de manhã, faço os três ao mesmo tempo [o que leva 6,5 minutos, sem contar o tempo que gasto tentando misturar o tempero naquela prastaca], divido em três partes e como uma de cada vez no decorrer do dia.

A vida é bela, vocês é que a complicam.
 

Casa da Hachi Template by Ipietoon Blogger Template | Gadget Review